Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Qual a Percentagem de Enfermeiros que cumprem as Precauções Básicas do Controlo da Infeção?

As Precauções Básicas do Controlo da Infeção (PBCI) destinam-se a prevenir a transmissão cruzada proveniente de fontes de infeção conhecidas ou não, aplicáveis a todos os doentes e em todos os níveis de cuidados. Estas medidas têm sido amplamente divulgadas a nível mundial mediante o seu importante papel na segurança dos doentes, dos profissionais de saúde e de todos os que entram em contacto com as unidades de saúde.
Foi recentemente publicado um estudo descritivo-correlacional para medir a “conformidade admitida pelos próprios enfermeiros”, relativamente à adesão às precauções básicas do controlo de infeção, conhecimento sobre o HCV, suscetibilidade e gravidade percecionada sobre o HCV e ainda sobre os benefícios ou barreiras percecionadas acerca do cumprimento das PBCI. Foram examinadas as relações entre estas variáveis.
Os investigadores da Northwell Health em Great Neck, Nova Iorque, inquiriram 231 Enfermeiros (n = 231) que trabalham em ambientes de cuidados de ambulatório.
De acordo com o estudo publicado no American Journal of Infection Control apenas 17,4% dos enfermeiros admitiram cumprir as PBCI.
Nos Estados Unidos as PBCI são as seguintes:

1 - Prestar cuidados considerando todos os doentes/utentes como potencialmente contagiosos;
2 - Higienizar as mãos após a remoção das luvas;
3 - Evitar a utilização de adornos nas mãos;
4 - Usar luvas quando é espectável a exposição das mãos a fluidos corporais;
5 - Evitar reencapsular agulhas;
6 - Evitar desadaptar a agulha usada da seringa;
7 - Usar máscara facial quando se prevê exposição a microrganismos transmitidos pelo ar;
8 - Higienizar as mãos após a prestação de cuidados;
9 - Eliminar materiais cortantes e perfurantes em contentor adequado;

As precauções básicas com maior percentagem de cumprimento foram: “utilização de luvas” (92%); “lavar as mãos após a prestação de cuidados” (82%); e “usar uma máscara” (70%).

De acordo com os autores do estudo "a conformidade admitida pelos próprios enfermeiros pode estar sobrevalorizada relativamente à conformidade que seria obtida face à conformidade real e isso torna estes resultados ainda mais preocupantes face ao potencial de exposição a doenças infeciosas”.
“No geral, os enfermeiros optam por adotar alguns comportamentos, que os colocam em risco de adquirir uma infeção.”
Em Portugal, a DGS promove a divulgação e aplicação das PBCI através da campanha das precauções básicas de controlo de infeção. No âmbito da presente campanha é fundamental os profissionais integrarem o risco do uso de unhas com verniz/unhas de gel na transmissão cruzada de microrganismos. Neste sentido, sugerimos a leitura atenta do documento:
Urge salientar a importância das hierarquias, dos grupos de coordenação local do programa de prevenção e controlo da infeção e de resistência aos antimicrobianos, assim como dos seus elementos dinamizadores, na adesão ao cumprimento destas práticas, assumindo-se como um modelo a seguir pelos pares.
Conclusões
Compreender as razões para a não adesão às PBCI ajudará a determinar uma estratégia para melhorar o comportamento individual e a implementação dos programas, visando os aspetos com menor percentagem de adesão, contribuindo para um melhor desempenho global.
É determinante a discussão dos fatores que influenciam ou encorajam o cumprimento das PBCI, o que conduzirá ao seu cumprimento total e eliminar os fatores que possam impedir essa conformidade.
Os resultados deste estudo revelam que a utilização de anéis e unhas artificiais precisam de ser discutidas no seio das equipas. Uma aplicação mais rigorosa de políticas restritivas nesta matéria deve ocorrer para que gestores de enfermagem, educadores e pessoal do controle de infeção possam desenvolver eficazmente programas de formação e de monitorização.
Uma lacuna do conhecimento a respeito da transmissão, tratamento e progressão do HCV pode afetar a perceção do risco e gravidade da doença por parte dos enfermeiros.
Partindo de uma suposição do “Modelo de Crenças na Saúde”, um enfermeiro irá envolver-se mais com uma recomendação, se ele ou ela acreditar que uma condição de saúde negativa pode ser evitada, e a presença de doença representa, pelo menos, uma ameaça moderada a algum aspeto da sua vida.
Terminamos reforçando a informação de que em Portugal, a DGS promove a divulgação e aplicação das precauções básicas através da campanha das precauções básicas de controlo de infeção. Sugerimos ainda a consulta e leitura atenta da Norma DGS nº 029/2012 - Precauções Básicas do Controlo da Infeção (PBCI).
Felisbela Barroso
Verónica Florêncio
Fernando Barroso
Deixe os seus comentários.
Partilhe esta informação com os seus contactos ou redes sociais.

Ajude-nos a chegar mais longe.

7 comentários:

  1. Ontem recebi a seguinte pergunta:
    "Mas afinal existe ou não risco de infeções ao usar unhas de gel ou gelinho existe algum estudo fidedigno que prove. Gostava de ser esclarecida"
    Para responder de forma rápida. SIM, existem estudos, evidências e recomendações sobre este assunto. Uma coisa é clara. Ao usar unhas de gel (gelinho, etc.) estamos a colocar os doentes ao nosso cuidado em risco.
    Deixo aqui algumas sugestões de leitura.
    Estudos que abordam o tema das “Unhas de Gel”
    WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health Care
    Link: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44102/1/9789241597906_eng.pdf
    Nurses + Artificial Nails = Bacteria
    http://infusionnurse.org/2010/03/29/nurses-artificial-nails-bacteria/
    What Are the Current Guidelines About Wearing Artificial Nails and Nail Polish in the Healthcare Setting?
    Link: http://www.medscape.com/viewarticle/547793#vp_2
    Acrylic Nails in Health Care Settings
    Link: http://scijourner.org/index.php?option=com_content&view=article&id=186:acrylic-nails-in-health-care-settings

    ResponderEliminar
  2. Fundamental, vou repetir, fundamental que os enfermeiros da área da Gestão, embora não estejam diretamente implicados na prestação de cuidados aos doentes, fundamental ( mais uma vez)que esses enfermeiros dêm o exemplo!!!!
    Evitar-se-iam comentários do género «Ela ( a Enf.ª Chefe/Diretora)também pinta as unhas e usa brincos e fios».....
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  3. Muito obrigada pelo tema abordado.
    Há anos que travo uma "guerra pessoal" com o verniz, gel, gelinho, extensões e toda a panóplia de subterfúgios que a indústria da cosmética inventa. Queria só deixar claro que se este é mais um assunto das profissionais do género feminino, unhas curtas e limpas são para todos (e nem sempre a ausência de cosmética é sinal de unhas limpas...). Quanto aos adornos, relembrar apenas que não há excepções: nem para alianças, nem para outro tipo de anéis (anéis de curso incluídos), pulseiras, relógios, etc. É claro que o exemplo tem mesmo de vir de cima. E não só das enfermeiras. Diretoras clínicas, de cirurgia, de anestesia ou técnicas coordenadoras têm igualmente que ser exemplo de boas práticas.
    Para além do exemplo, penso que seria interessante, aumentar o número de auditorias ao cumprimento de medidas de prevenção de infeção e publicá-las em local visível a todos os profissionais - para que as equipas, e cada um individualmente, pudessem refletir a sua prática e perceber onde pode melhorar.
    Sugiro a leitura de um artigo muito interessante publicado no British Medical Journal, sobre o efeito do observador na lavagem das mãos. Quando o auditor é visível aos auditados, a prática de lavagem das mãos triplica.
    http://passthrough.fw-notify.net/download/708940/http://qualitysafety.bmj.com/content/23/12/974.full.pdf
    Resta saber qual o efeito de exposição prolongada à auditoria... Talvez um dia possamos fazer esse estudo.

    ResponderEliminar
  4. Pois é Fernando, estás-te a meter num assunto que ninguém gosta muito de tocar, diria mesmo que é uma "vaca sagrada"; estou completamente de acordo, o exemplo vem de cima (como em qualquer outra situação e algumas nós bem conhecemos) e como diz o ditado, ao padre não basta ser, é preciso parecer; tens-me como teu aliado, mesmo que isso nos dê uma imagem demasiado austera; eu gosto de ver todos os profissionais, bonitos; mas não aceito que a beleza, possa condicionar insegurança e dano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio e pelo comentário.
      Este é um assunto que tem de ser discutido.

      Eliminar