quarta-feira, 23 de novembro de 2022

Estamos a Forçar a Literacia aos nossos Doentes? #SD451


Tenho por hábito observar com alguns distanciamento o meu Serviço (Consulta Externa) para sentir como o processo está a decorrer e o que podemos melhorar na experiência do Doente.

Há cerca de 2 meses que a inovação está na utilização de quiosques automáticos de atendimento "que fazem tudo".

Efetivamente, fazem um excelente trabalho (especialmente quando funcionam de forma correta), sendo inegavelmente uma evolução no atendimento do Doente.

O problema é que muitos doentes que tenho observado, ouvido, acompanhado, simplesmente "não querem" usar o sistema.

E não é uma questão de baixa literacia em saúde ou literacia tecnológica.

O sistema não difere muito da forma como utilizamos um terminal multibanco ou mesmo um Smartphone.

Já vi e ouvi de tudo:

  • Eu nunca mexi nisto!
  • Onde é que se "toca"?
  • Ouço um doente a "aconselhar" outro; - Eu cá digo que não sei ler...
  • Um doente tenta a todo o custo inserir um Bilhete de Identidade no quiosque (explico com calma que não vai dar).
  • Chega ao quiosque, e sem ler nada do que está no ecrã, ou nas indicações escritas que se encontram próximo, coloca simplesmente o cartão do cidadão no quiosque.

Também devemos reconhecer que há doentes (pela sua patologia, capacidades cognitivas, etc.) que necessitam de apoio (isso é inegável), mas, para muitos outros, provávelmente não há estratégia de literacia que resulte. 

Quando o Doente não quer, não há sistema que funcione...


UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

Fernando Barroso

https://fernandobarroso.gumroad.com/

domingo, 30 de outubro de 2022

Auditoria Clínica - O Coordenador é um Médico ou um Enfermeiro? #SD450

Recebi um pedido de parecer em que era colocada a seguinte questão: Faço parte da Comissão de Auditorias Clínicas Internas do Hospital (…), à qual pertencem profissionais médicos e enfermeiros e temos um coordenador. (...) O coordenador desta equipa pode ser um médico ou enfermeiro, ou por se tratar de auditorias de âmbito clínico tem de ser médico?

É este o meu parecer: 

Do meu ponto de vista, existem 2 questões. Uma questão relaciona-se com a Coordenação da Comissão de Auditorias Clínicas, e outra questão relaciona-se com a atribuição da coordenação de uma determinada auditoria.

E estas não são a mesma coisa.

A atividade de auditoria, está bem enquadrada na Norma ISO NP EN ISO 19011 2019 (Linhas de Orientação para auditorias a sistemas de gestão).

A Direção Geral da Saúde, através da Orientação nº 002/2017, atualizada a 03/06/2022 (Preparação e Condução de Auditorias da Qualidade e Segurança da Prestação de Cuidados de Saúde) resume, para acesso livre, a referida NP EN ISO 19011 2019.

Nesta Orientação, está claramente definido o papel e requisitos de competência do Coordenador da Auditoria. A saber:

O Auditor Coordenador deve possuir "Qualificação e idoneidade (...) para a atividade/área a auditar" (Orientação nº 002/2017, ponto 5.2)

Sempre que a equipa auditora é constituída por mais de um elemento, a responsabilidade de coordenação da auditoria é atribuída a um auditor coordenador com comprovada experiência na metodologia de auditoria, nos critérios de auditoria, no referencial e nos processos em questão. (Orientação nº 002/2017, ponto 5.2)

No ponto 5.10 (sobre “Conhecimento e saber fazer”) da referida Orientação, pode ainda ler-se:  Para que os auditores possam ter os conhecimentos e saber fazer necessários às funções que desempenham nas diferentes auditorias devem ter participado numa formação de auditores, reconhecida e ministrada por formadores qualificados eles próprios como auditores.

Esta exigência incide com maior relevância sobre os auditores coordenadores, pois estes têm, cumulativamente, de ter conhecimentos e saber fazer para coordenar toda a atuação da equipa auditora e para apoiar os auditores com menor experiência. (Orientação nº 002/2017, ponto 5.10)

Eu compreendo a exigência da DGS, pois eu ministro este tipo de formação, que não é fácil para o formando, e nem todos conseguem alcançar os objetivos propostos.

Apesar de todas as referências existentes na Orientação nº 002/2017 em nenhum momento está explicito se o auditor coordenador tem de ser de uma ou outra categoria profissional.

O importante é a sua competência, no âmbito do conhecimento de como realizar uma auditoria e também a competência técnica relativa ao âmbito da própria auditoria.

Assim sendo, e imaginando por exemplo uma auditoria ao trabalho realizado por Enfermeiros numa área de atuação específica, percebe-se claramente que um coordenador, apenas por ser médico, dificilmente teria a "competência técnica adequada".

O mesmo se pode dizer para uma auditoria específica a um campo de atuação médico. Dificilmente um Enfermeiro poderia argumentar estar capacitado tecnicamente para o fazer.

Não se trata, pois, de uma questão de categoria profissional, mas da competência para executar corretamente uma auditoria. E isso só pode ser decidido "auditoria-a-auditoria".


Outra questão que entendo ter sido colocada é o assunto da Coordenação da Comissão de Auditorias Clínicas.

Sobre isto, entendo que não existe efetivamente uma orientação formal da tutela, embora seja conhecida a tendência nacional de atribuir a profissionais médicos a coordenação deste tipo de comissões.

O meu entendimento é que, quem coordena uma Comissão de Auditoria Clínica (eu colocaria no singular), deve ser antes de mais, uma pessoa de reconhecido mérito, no seu trabalho, no âmbito da Qualidade em Saúde e da Segurança do Doente, com capacidade de intervenção e com Autoridade reconhecida pela Equipa Multidisciplinar, nomeada pelo Órgão Máximo de Gestão da Instituição e contando com o seu suporte para planear e implementar um Plano de Auditorias abrangente na Instituição.

Não existe - salvo melhor opinião - obrigatoriedade desta pessoa ser de uma ou de outra profissão da área da saúde, desde que cumpra os requisitos expostos anteriormente.

É este o meu parecer.

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

Fernando Barroso

https://fernandobarroso.gumroad.com/

sábado, 17 de setembro de 2022

Medicação Sem Dano – 17 Setembro – Dia Mundial da Segurança do Doente | #SD447


Hoje - 17 de Setembro - assinala-se mais um Dia Mundial da Segurança do Doente

Este ano sob o tema "Medicação sem Dano"

Dos profissionais de saúde espera-se que consigam:

  • Manter as suas competências atualizadas em práticas seguras na utilização da medicação
  • Envolver os doentes por meio de tomadas de decisão compartilhadas usando ferramentas como os 5 Momentos para Segurança do Medicamento e implementar ações relacionadas com a campanha “Saber. Verificar. Perguntar”.
  • Fornecer informações claras e completas relacionadas com a medicação a todos os elementos da equipa de saúde durante todo o processo de atendimento
  • Relatar incidentes de segurança do medicamento e compartilhe e aplique as lições aprendidas com a sua equipa e doentes quando possível
  • Estar atento a situações em que o risco com origem nos medicamentos é alto e garanta que as medidas de segurança são seguidas
  • Acompanhar e ser o mentor dos novos membros da sua equipa sobre sistemas e práticas de medicação segura

(OMS, 2022)

Sobre este tema já escrevi vários artigos sobre medicação, e sobre o medicamento ao longo dos anos, e que te convido a revisitar.

Porque os medicamentos não podem ser tratados como guloseimas.

e porque

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

Fernando Barroso

https://fernandobarroso.gumroad.com/


quarta-feira, 18 de maio de 2022

Auditoria Clínica - parte 1 | #SD444

 

Photo by Stephen Dawson on Unsplash

São inúmeros os desafios com que hoje nos deparamos numa instituição de saúde. Os cuidados de saúde nunca foram tão complexos, seja pela evolução verificada com a introdução de novas tecnologias e avanços no conhecimento científico, seja por constrangimentos de vária ordem que condicionam a forma como os cuidados de saúde são prestados aos cidadãos. A Pandemia de COVID-19 veio agravar e evidenciar estes desafios e ao mesmo tempo colocou o sistema de saúde à prova.

Apesar da enorme evolução verificada nos cuidados de saúde, ainda não conseguimos encontrar um equilíbrio definitivo entre esse avanço e a garantia de uma prestação de cuidados de qualidade e eficiente.

Continuamos a debater-nos com problemas relacionados com questões “antigas”, como seja por exemplo a implementação de medidas básicas de higienização das mãos que garantam um cuidado seguro, sem risco de propagação de microrganismos multirresistentes entre doentes.

Desenvolvemos “programas de integração”, mas existem profissionais nas instituições de saúde sem formação adequada (em todas as categorias profissionais), a quem é exigido um desempenho exemplar ou mesmo acima das suas competências. A supervisão desses profissionais é por vezes entendida como uma atividade menor ou que “pode esperar”, e os mecanismos existentes para fazer face à necessidade de mudança são escassos ou encontram-se demasiadas vezes reféns da burocracia, da legislação laboral ou do corporativismo.

Os recursos materiais disponíveis são por vezes escassos ou de menor qualidade. Escolher um dispositivo médico é um verdadeiro desafio quando, para escolher, existe como critério principal o artigo “ao mais baixo preço” ficando excluídos dessa forma todos os materiais (dispositivos médicos, material de penso, etc.) a que estávamos acostumados e que davam garantia do resultado esperado à primeira utilização.

Os recursos humanos são igualmente um desafio. Reajustamos continuamente os profissionais atuais às tarefas e funções já existentes, evitando reduzir a oferta de serviços, ou cortando (inevitavelmente) onde é necessário.

Para quem gere (a todos os níveis) o desafio é enorme. Ser criativo já não é suficiente. Há que encontrar formas de analisar, quantificar e fundamentar todas as decisões tomadas. O envolvimento nos cuidados e principalmente o conhecimento dos seus resultados, baseados na eficiência clínica, têm de estar na primeira linha de quem tem responsabilidades de gestão. E a verdade é que todos nós individualmente, mesmo que não o compreendamos, somos responsáveis pela gestão do nosso trabalho diário.

A auditoria clínica é uma ferramenta que devemos compreender e utilizar sem receio. Ela permite conhecer, pormenorizadamente, como são prestados os cuidados (seja ao nível da estrutura, do processo ou dos resultados) aos doentes à nossa responsabilidade. Uma coisa é certa, um profissional apenas poderá prestar um “cuidado de qualidade e eficiente” se tiver disponível um conjunto de conhecimentos, recursos e uma organização adequados.

A Auditoria Clínica permite identificar quais os fatores que carecem de mudança e de quais nos devemos orgulhar. Com a Auditoria Clínica promove-se a deteção sistemática de pontos fracos no processo, a identificação de oportunidades de melhoria, promovendo o refinamento da organização e a sofisticação da prestação de cuidados.

Para concretizar uma auditoria existem um conjunto de metodologias que devem ser conhecidas, desenvolvidas e aplicadas e ao contrário do que possa por vezes pensar-se, a auditoria não é um processo inalcançável. Com a orientação, e empenho adequados, a maioria dos processos pode ser auditado.

Não podemos esquecer a importância e a interligação entre a qualidade em saúde e a segurança do doente, a governação clinica e a eficiência clínica e como a auditoria clinica as pode potenciar.

Vamos discutir (ao longo dos próximos artigos) os passos que nos vão colocar no melhor caminho para concretizar uma auditoria, e com os seus resultados, melhorar os processos, alcançando mais qualidade dos cuidados e melhor segurança do doente (dos profissionais e da instituição).

Fernando Barroso

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

https://fernandobarroso.gumroad.com/

segunda-feira, 16 de maio de 2022

Uma baixa Literacia em Saúde pode ser fatal e coloca em risco a Segurança do Doente | #SD443


Já muito se falou e escreveu sobre a nossa (dos profissionais de saúde) capacidade de comunicar com o doente, de promover a educação para a saúde e também sobre a capacidade da pessoa para concretizar o que lhe é proposto. 

Falamos de Literacia em Saúde.

“A literacia em saúde remete para as competências e os conhecimentos dos indivíduos necessários para acederem, compreenderem, avaliarem e utilizarem informação sobre saúde, que lhes permita tomar decisões sobre cuidados de saúde, prevenção da doença e modos de promoção de uma vida saudável.

Uma baixa Literacia em Saúde pode dar origem, por exemplo, a um maior número de internamentos e a uma utilização mais frequente de serviços de urgência e, também, a uma menor prevalência de atitudes individuais e familiares preventivas no campo da saúde. Ou seja, a uma menor qualidade de vida. (In: Literacia em Saúde em Portugal – 2015 |Fundação Calouste Gulbenkian)"

Da minha janela observei hoje um doente (como faço muitas vezes). Este chamou-me a atenção. 

Com um equipamento de fornecimento de oxigénio na mão esquerda e um cigarro na mão direita, não consegui deixar de ter um sentimento de pena e de tristeza para com este Sr. Quão desesperado deve estar uma pessoa para continuar com um vício que certamente o fará sentir-se pior?

E mais, não saberá que o ato simples que pratica (fumar um cigarro) com uma fonte de O2 mesmo ao lado (estava a usar uns óculos nasais) pode resultar numa catástrofe?

O que estará no pensamento deste Sr? Qual o nivel da sua literacia em saúde? 

O que está certamente presente é um sentimento de derrota, de quase desespero.

Temos tanto para aprender uns com os outros...


Fernando Barroso

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

https://fernandobarroso.gumroad.com/

sábado, 14 de maio de 2022

Todos erramos na Segurança do Doente | #SD442

"Errar é Humano"

Não só esta é uma frase "feita" como também é o titulo de uma publicação que marcou (e marca) o início de uma consciência global sobre o erro nos cuidados de saúde, sobre a "Segurança do Doente" e sobre como todos nós - profissionais e doentes - estamos sujeitos ao erro, mas também, de forma consciente, podemos melhorar a forma como organizamos o trabalho (os cuidados prestados) para diminuir a probabilidade do erro ocorrer.

Esta semana, ao dirigir-me a pé para o meu local de trabalho, passei por um painel publicitário colocado numa paragem de autocarro. Depois de passar pelo local senti que algo não estava "bem". Voltei atrás e percebi o erro.

O trabalhador que colocou o painel enganou-se e colocou o painel de "pernas para o ar". Errou.

Lembrei-me de uma definição de erro da qual gosto particularmente.

"Errar é fazer a coisa errada, pensando que estou a fazer a coisa certa."

Este trabalhador errou a colocar a publicidade e não percebeu o seu erro. Daí não virá certamente grande mal ao mundo.

Na prestação de cuidados ao Doente, um erro pode ser fatal. 

Um profissional de saúde não se pode dar ao luxo de estar distraído (mas estamos); temos de verificar tudo o que fazemos (mas nem sempre o fazemos); não devemos falhar, mas todos somos humanos e todos estamos sujeitos aos mesmos factores humanos que potenciam o erro.

Falhamos  porque não damos a devida atenção à nossa Carga de trabalho cognitiva e mental, falhamos porque aceitamos as Distrações como algo normal, falhamos porque nos sujeitamos a um Ambiente físico prejudicial ao trabalho, falhamos ao ultrapassar as Exigências físicas do trabalho. Falhamos quando trabalhamos com um Desenho do produto/equipamento defeituoso. Falhamos quando não conseguimos implementar um verdadeiro Trabalho em equipa, e quando nos deixamos levar por um Desenho do processo repleto de complexidade.

Hoje, quando fores trabalhar, pensa nisto, sê vigilante e evita o erro.

Fernando Barroso

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

E-book Factores Humanos

https://fernandobarroso.gumroad.com/l/ebookfactoreshumanos

Curso online Factores Humanos

https://fernandobarroso.gumroad.com/l/fatoreshumanos

quinta-feira, 21 de abril de 2022

A Segurança do Doente está em tudo o que fazemos | #SD441

 


Não há praticamente nenhuma atividade que não influencie a "Segurança do Doente", direta ou indiretamente.

As instituições de saúde devem organizar-se não só para cumprir com os seus objetivos de prestação de cuidados de saúde, mas fazê-lo com qualidade, e para isso a Segurança do Doente tem de ser uma prioridade, mas mais do que isso, estar na consciência de todos.

E a "segurança do doente" é tudo o que fazemos:

É o agendamento correto do doente para uma consulta/intervenção;

É a triagem correta do doente à entrada da urgência;

É o encaminhamento do doente para o serviço correto/mais competente para cuidar da situação;

É pedir o transporte para o doente ou produto a transportar;

É ter disponível o dispositivo médico ou medicamento necessário na hora certa;

É ter os profissionais disponíveis com os conhecimentos e em número necessários;

É todos (Doentes e Profissionais) serem respeitados e respeitadores.

Todos os dias fazemos milhares de coisas bem, mas o potencial para erro é enorme, em especial quando muitos acham que "isso não é comigo".

Um dia vai ser, mas já será tarde demais.


Fernando Barroso

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente

domingo, 27 de março de 2022

Enfermeira Condenada a 8 anos de Prisão por Erro de Medicação | #SD440

Este é um exemplo assustador de como ao FATORES HUMANOS a que todos estamos sujeitos podem interferir de forma catastrófica na segurança do doente e causar um evento adverso irreversível.

Não, nunca é demais falar na carga de trabalho excessiva, falar na necessidade de dotações seguras, falar na necessária organização dos Serviços, de prescrições de medicamentos corretas e seguras. Nunca é demais falar na dupla-verificação da medicação, em especial dos medicamentos de alto risco.

E não, os sistemas eletrónicos de dispensa de medicamentos não são isentos de erro. O risco “zero” não existe em saúde.

Falei pela primeira vez neste caso aqui no blog em 2019, quando a Enfermeira RaDonda Vaught foi detida. Podes ler esse ARTIGO AQUI.

Entretanto, a história evoluiu, e a Enfermeira RaDonda Vaught enfrenta agora uma provável sentença de prisão de três a seis anos por negligência e de um a dois anos por homicídio culposo.

É importante que todos conheçam esta história e reflitam na sua prática diária.

Enfermeiros, Enfermeiros Gestores, Médicos e Administrações - Todos têm responsabilidade na Segurança do Medicamento e por consequência na Segurança do Doente

ESTES SÃO OS DESENVOLVIMENTOS MAIS RECENTES

Em dezembro de 2017, no hospital mais prestigiado do Tennessee, a enfermeira RaDonda Vaught retirou um frasco de um dispensador automático de medicamentos, administrou a droga a um doente e de alguma forma ignorou os sinais de um erro terrível e mortal.

A doente deveria ter recebido Versed (midazolam), um sedativo destinado a acalmá-la antes de ser submetida a uma ressonância magnética. Mas Vaught acidentalmente preparou vecurónio, um bloqueador neuromuscular paralisante, que interrompeu a respiração da doente e a deixou com morte cerebral antes que o erro fosse descoberto.

Vaught, de 38 anos (que foi detida e acusada de homicídio em 2019), admitiu o seu erro numa audiência do Conselho de Enfermagem do Tennessee no ano passado (2021), dizendo que se tornou "complacente" no seu trabalho e "distraída" por um estagiário enquanto operava o dispensador automático de medicamentos. Ela não se esquivou da responsabilidade pelo erro, mas disse que a culpa não era só dela.

"Eu sei que a razão pela qual esta doente não está mais aqui é por minha causa", disse Vaught, começando a chorar. "Não haverá um dia em que eu não pense no que fiz."

Se a história de Vaught tivesse seguido o caminho da maioria dos erros clínicos, tudo teria terminado horas depois, quando o Conselho de Enfermagem do Tennessee revogou a sua licença e encerrou a sua carreira de enfermeira.

Mas o caso de Vaught é diferente: esta semana, Vaught vai a julgamento em Nashville por acusações criminais de homicídio imprudente, abuso de um adulto deficiente e pelo assassinato de Charlene Murphey, a doente de 75 anos que morreu no Vanderbilt University Medical Center em final de dezembro de 2017.

Os promotores não alegam no processo judicial que Vaught pretendia ferir Murphey ou que estaria sob efeito de alguma droga quando cometeu o erro, por isso a sua acusação é um exemplo raro de um profissional de saúde que enfrenta anos de prisão por um erro clínico.

Erros fatais são geralmente tratados pelos conselhos de regulação profissional e tribunais civis. Os especialistas dizem que processos como o de Vaught são significativos para uma profissão aterrorizada com a criminalização deste tipo de erros – especialmente porque este caso depende de um sistema automatizado de dispensa de medicamentos que muitas enfermeiras usam todos os dias.

O julgamento de Vaught foi assistido por enfermeiros em todo o país (EUA), muitos dos quais temem que uma condenação possa abrir um precedente – já que a pandemia de coronavírus deixa inúmeros enfermeiros exaustos, desmoralizados e provavelmente mais propensos a erros.

Janie Harvey Garner, enfermeira registrada em St. Louis e fundadora do Show Me Your Stethoscope, um grupo de enfermeiras com mais de 600.000 membros no Facebook, disse que o grupo acompanha de perto o caso de Vaught há anos por preocupação com o seu destino – e o deles.

Garner afirmou que a maioria dos enfermeiros conhece muito bem as pressões que contribuem para esse erro: longas horas, hospitais lotados, protocolos imperfeitos e o inevitável aumento da complacência num trabalho com riscos diários de vida ou morte.

Garner confirmou que uma vez trocou medicamentos poderosos assim como Vaught fez e que só percebeu o seu erro numa verificação tripla de última hora.

"Em resposta a uma história como esta, existem dois tipos de enfermeiras", disse Garner. "Você tem as enfermeiras que assumem que nunca cometeriam um erro como este, e geralmente é porque não percebem que poderiam. E o segundo tipo são aqueles que sabem que isto pode acontecer, a qualquer dia, não importa o quão cuidadosos sejam. Esta poderia ser eu. Eu poderia ser RaDonda."

Quando o julgamento começou, os promotores de Nashville argumentaram que o erro de Vaught foi tudo menos um erro comum que qualquer enfermeira poderia cometer. Os promotores disseram que ela ignorou uma série de advertências que levaram ao erro mortal.

O caso depende do uso da enfermeira de um dispensador automático de medicamentos, um dispositivo computadorizado que dispensa uma série de medicamentos. De acordo com documentos arquivados no caso, Vaught inicialmente tentou retirar o Versed do dispensador digitando "VE" através da sua função de pesquisa sem perceber que deveria procurar pelo seu nome genérico, midazolam. Quando o dispensador não produziu Versed, Vaught acionou uma “sobreposição” que desbloqueou o sistema e permitiu-lhe aceder a uma faixa muito maior de medicamentos, depois procurou por "VE" novamente. Desta vez, o gabinete oferecia vecurónio.

Vaught então ignorou ou ignorou pelo menos cinco avisos ou pop-ups dizendo que ela estava retirando um medicamento paralisante, afirmam os documentos. Ela também não reconheceu que Versed é um líquido, mas o vecurónio é um pó que deve ser misturado ao líquido, afirmam os documentos.

Finalmente, pouco antes de injetar o vecurónio, Vaught enfiou uma seringa no frasco, o que exigiria que ela "olhasse diretamente" para uma tampa no frasco que dizia "Aviso: Agente Paralisante", afirmam os documentos da promotoria.

A promotoria aponta essa “sobreposição” do sistema como central para a acusação de homicídio imprudente de Vaught.

Vaught reconhece que ela executou uma “sobreposição” no dispensador. Mas ela e outros dizem que as “sobreposições” são um procedimento operacional normal usado diariamente em hospitais.

Ao testemunhar perante o conselho de enfermagem no ano passado, prenunciando a sua defesa no próximo julgamento, Vaught afirmou que no momento da morte de Murphey, o Hospital de Vanderbilt estava a instruir outras enfermeiras a usar a “sobreposição” para superar atrasos no dispensador e constantes problemas técnicos causados ​​por uma revisão contínua do sistema de registro eletrônico de saúde do hospital.

Para cuidar da doente que veio a falecer exigiu pelo menos 20 “sobreposições” no dispensador de medicamentos em apenas três dias, disse Vaught.

“Realizar uma “Sobreposição” no sistema era algo que fazíamos como parte de nossa prática todos os dias", disse Vaught. "Você não conseguiria obter uma bolsa de fluidos para um doente sem usar uma função de “sobreposição”"

As “sobreposições” também são comuns fora do Hospital de Vanderbilt, de acordo com especialistas que acompanham o caso de Vaught.

Michael Cohen, presidente emérito do Institute for Safe Medication Practices, e Lorie Brown, ex-presidente da American Association of Nurse Attorneys, disseram que é comum que os enfermeiros usem uma “sobreposição” para obter os medicamentos num hospital.

Mas Cohen e Brown enfatizaram que, mesmo com uma substituição, não deveria ter sido tão fácil aceder ao vecurónio.

"Este é um medicamento que nunca deve se obtido com uma “sobreposição” do sistema”, afirmou Brown. "É provavelmente o medicamento mais perigoso que existe."

Cohen disse que, em resposta ao caso de Vaught, os fabricantes de dispensadores automáticos de medicamentos modificaram o software dos dispositivos para exigir que até cinco letras fossem digitadas ao procurar medicamentos durante uma “sobreposição”, mas nem todos os hospitais implementaram essa proteção. Dois anos após o erro de Vaught, a organização de Cohen documentou um incidente "surpreendentemente semelhante" no qual outra enfermeira trocou Versed por outra droga, verapamil, enquanto usava uma “sobreposição” e pesquisava apenas com as primeiras letras. Esse incidente não resultou na morte de um doente ou num processo criminal, disse Cohen.

Maureen Shawn Kennedy, editora-chefe emérita do American Journal of Nursing, escreveu em 2019 que o caso de Vaught era “o pesadelo de qualquer enfermeira”.

E durante a pandemia de COVID-19, afirmou, isto é mais verdadeiro do que nunca.

"Sabemos que quantos mais doentes uma enfermeira tem, mais espaço há para erros", afirmou Kennedy. "Sabemos que quando os enfermeiros trabalham em turnos mais longos, há mais espaço para erros. É por isso que os enfermeiros ficam muito preocupados porque sabem que esta situação pode acontecer com eles."

Artigo original

_________________________________________________________________

A 25 de março de 2022, RaDonda Vaught ouviu o veredicto ser lido no seu julgamento em Nashville, Tennessee. O júri considerou Vaught, uma ex-enfermeira, culpada de homicídio culposo, negligência grosseira de um adulto deficiente, e da morte de um doente a quem ela acidentalmente deu a medicação errada.

Vaught pode receber de três a seis anos de prisão por negligência e de um a dois anos por homicídio culposo como réu sem condenações anteriores.

__________________________________________________________________________

Como preparas a medicação dos teus Doentes?

Que medidas de segurança há implementadas no teu Serviço?

Aplicas a “dupla-verificação” sempre que preparas medicação de alto risco?

Não queiras ser tu a estar no banco dos réus.


Fernando Barroso

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente


Para saberes mais sobre FACTORES HUMANOS

E-book Factores Humanos

https://fernandobarroso.gumroad.com/l/ebookfactoreshumanos

Curso Factores Humanos

https://fernandobarroso.gumroad.com/l/fatoreshumanos

domingo, 27 de fevereiro de 2022

Não à Guerra na Ucrânia

    


Não sou um militar ou um político, nem sequer alguém que tenha qualquer tipo de influência sobre o que se está a passar na Ucrânia, mas não consigo ficar calado perante tamanha injustiça e atrocidade.

    Cada ação que faço ao longo do dia (tomar um banho quente; almoçar; ver tv; descansar; ir para a minha cama à noite) lembra-me que na Ucrânia (assim como em muitos outros lugares no mundo) há muitas outras pessoas (meus irmãos) que não o podem fazer. A tristeza desse pensamento assombra o meu dia.

    Como pode um homem (não será apenas o Putin) decidir atacar um País irmão (não percebem que somos todos um) e com isso destruir as vidas de ucranianos, russos, mas também de todos nós?

    Como é possível que haja quem defenda esta ação como correta? Não é - e todos (até Putin) sabem bem disso.

    O que posso fazer? É esta a pergunta que não me sai da cabeça.

    Se encontrar uma resposta prometo partilha-la contigo. Se souberes a resposta, por favor diz-me.