Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 14 de janeiro de 2018

Aumentar a Cultura de Segurança do Ambiente Interno | SD279


Aumentar a Cultura de Segurança do Ambiente Interno é o 1º objetivo estratégico do Plano Nacional para a Segurança dos Doentes 2015-2020 (PNSD-15-20).

Na parte final deste artigo encontras quais as estratégias que desenvolvemos para promover a participação dos profissionais do CHS.

O QUE NOS DIZ O PNSD-15-20

O PNSD-15-20 refere que “A melhoria da cultura de segurança do ambiente interno das instituições prestadoras de cuidados de saúde é um imperativo e uma prioridade consignada na Estratégia Nacional para a Qualidade na Saúde.”

Para alcançar esta melhoria, é adotada a recomendação da Organização Mundial de Saúde do Conselho da União Europeia para que os Estados-Membros procedam à avaliação da perceção dos profissionais de saúde sobre a cultura de segurança da instituição onde trabalham, como condição essencial para a introdução de mudanças nos seus comportamentos e para o alcance de melhores níveis de segurança e de qualidade nos cuidados que prestam aos doentes.

“A cultura de segurança de uma instituição prestadora de cuidados de saúde é, segundo a Organização Mundial da Saúde, para além de um estilo e de uma competência de gestão, um produto de valores individuais e de grupo, de atitudes, de perceções e de padrões de comportamento, que determinam o compromisso dessa instituição para com a segurança dos doentes.”

Ou seja, a segurança do Doente de uma instituição resulta do conjunto da “cultura individual de segurança do doente” de cada um dos seus profissionais, desde o profissional de “1ª linha”, aos profissionais dos serviços de apoio e á gestão do topo da instituição. Assim, cada instituição possui a sua própria cultura de segurança.

Podemos argumentar que essa cultura de segurança é mais ou menos propicia à promoção de cuidados seguros para o doente. O que não podemos afirmar é que “não existe” uma cultura de segurança.

O PNSD-15-20 determina que “A avaliação da cultura de segurança dos doentes, em Portugal, irá decorrer anualmente, de forma alternada, nos hospitais e nos agrupamentos de centros de saúde. Em 2018 esta avaliação vai ocorrer nos hospitais.

Esta avaliação é realizada com base na aplicação do Hospital Survey on Patient Safety Culture da Agency for Healthcare Research and Quality dos Estados Unidos da América, traduzido e adaptado ao contexto português.
Trata‐se de um questionário autopreenchido, com uma distribuição multidimensional (12 dimensões), composto por 42 itens, incluindo, ainda, duas variáveis de item único: Grau de Segurança do Doente e Número de Eventos Notificados nos últimos 12 meses.

As dimensões avaliadas são:
1. Trabalho em equipa
2. Expectativas do supervisor/gestor e acções que promovam a segurança do doente
3. Apoio à segurança do doente pela gestão
4. Aprendizagem organizacional - melhoria contínua
5. Percepções gerais sobre a segurança do doente
6. Feedback e comunicação acerca do erro
7. Abertura na comunicação
8. Frequência da notificação de eventos
9. Trabalho entre as unidades
10. Dotação de Profissionais
11. Transições
12. Resposta ao erro não punitiva.

No PNSD-15-20, é enfatizada a necessidade duma ampla adesão dos profissionais das instituições de saúde a esta metodologia.

É solicitado de forma directa às direcções clínicas, aos conselhos clínicos e de saúde e às comissões da qualidade e segurança, que promovam a adesão dos seus profissionais à avaliação da cultura de segurança dos doentes. Em 2014 (últimos dados disponíveis), a taxa de adesão nacional foi de 18,3%.

À DGS foi atribuída a competência de definir os valores-padrão das taxas de adesão das instituições à avaliação da cultura de segurança dos doentes e dos valores-padrão nacionais para as várias dimensões.
À Administração Central do Sistema de Saúde compete incluir os valores-padrão nas metas dos contratos programa das instituições prestadoras de cuidados de saúde.

No PNSD-15-20 foram definidas as seguintes Metas para o final de 2020:

1). Atingir uma taxa de adesão nacional à avaliação da cultura de segurança ≥ 90%.
2). Atingir uma média nacional ponderada de todas as dimensões do questionário da avaliação da cultura de segurança do doente ≥ 50%.


QUAL A EXPERIÊNCIA DO CENTRO HOSPITALAR DE SETÚBAL, E.P.E.

No Centro Hospitalar de Setúbal E.P.E. realizámos um primeiro estudo em 2013, tendo os dados obtidos sido aceites pela DGS, após validação da metodologia utilizada. Nesse estudo, obtivemos uma taxa de adesão por parte dos profissionais de 30,45%.
A estratégia de divulgação interna envolveu vários componentes:
  • Divulgação inicial do estudo do através da Circular Interna do CHS, na qual era divulgado o link de acesso para resposta ao questionário;
  • A informação foi também divulgada através de uma mensagem interna dirigida a todos os Profissionais do CHS com correio electrónico institucional;

Como estratégias de divulgação/promoção adicionais:
  • Foi solicitado às hierarquias dos Serviços do CHS colaboração na divulgação do estudo e apoio no acesso a um computador para os profissionais que não utilizam este equipamento regularmente no desempenho das suas funções;
  • Para maximizar a taxa de respostas, relembrar e incentivar à participação no estudo, foram enviados a cada semana lembretes (por correio eletrónico e mensagem na intranet do CHS);
  • O grupo de trabalho esteve sempre disponível para apoiar todos os profissionais/serviços no preenchimento do questionário;
  • O questionário esteve disponível para preenchimento durante o mês de outubro de 2013 nos dois hospitais que constituem o CHS.

A recolha e análise dos questionários foi feita pelo grupo de trabalho, através de um link para um formulário on-line, o qual garante a confidencialidade e o anonimato de todas as respostas.

OS RESULTADOS POR DIMENSÃO FORAM OS SEGUINTES:
Dimensão 1 Trabalho em Equipa (68%);
Dimensão 2 Expetativas do supervisor/gestor e ações que promovem a Segurança do Doente (62%);
Dimensão 3 Apoio à Segurança do Doente pela gestão (45%);
Dimensão 4 Aprendizagem Organizacional – melhoria contínua (70%).
Dimensão 5 Perceções gerais sobre a Segurança do Doente (57%);
 Dimensão 6 Comunicação e feedback acerca do erro (59%).
Dimensão 7 Abertura na Comunicação (55%);
Dimensão 8 Frequência da notificação (48%);
Dimensão 9 Trabalho entre unidades (46%);
Dimensão 10 Dotação de profissionais (39%);
Dimensão 11 Transições (50%);
Dimensão 12 Resposta ao erro não punitiva (34%);

De salientar que os resultados obtidos estavam perfeitamente “em linha” com os resultados de outros estudos (nacionais e internacionais) conhecidos.

Sobre a questão do nível de adesão, já em 21 de Janeiro de 2017 publiquei um artigo (que vos convido a ler ou a reler) com a minha análise - SD240- Baixa Participação dos Profissionais na Avaliação da Cultura de Segurança doDoente. Devo ficar preocupado? – considerando que na verdade, a percentagem de adesão pode não ser assim tão importante.

Mas mais do que a “taxa de adesão” era importante implementar as medidas sugeridas de promoção da cultura de segurança.
Para além de várias recomendações por dimensão, e com base em toda a informação recolhida, o Grupo de Trabalho identificou como prioritárias as seguintes recomendações a implementar no Centro Hospitalar de Setúbal:
  • Promover os instrumentos institucionais existentes (Normas de Orientação Clínica, Políticas e Procedimentos) que contribuem para a promoção da Segurança do Doente, garantindo a sua divulgação, aplicação, auditoria e revisão regulares;
  • Incentivar a notificação dos incidentes e a sua discussão multidisciplinar nos Serviços/Unidades numa perspectiva positiva de aprendizagem com o erro, identificação de oportunidades de melhoria e implementação de medidas correctivas;
  • Promover a formação interna de todos/as os profissionais, sensibilizando e desenvolvendo competências em segurança do doente, gestão do risco e melhoria da comunicação;
  • Abordar o tema da Segurança do Doente como uma oportunidade de melhoria da equipa multidisciplinar, destacando a importância da comunicação interna e entre Serviços/Unidades;
  • Promover o envolvimento e informação do doente/família.


Este é o caminho que temos vindo a realizar.

Estamos assim no ano (2018) em que deveremos reavaliar a nossa cultura de segurança do doente.
É com expectativa que o faremos, revendo as nossas estratégias de divulgação para conseguirmos aumentar a nossa taxa de participação.

E agora solicito a tua participação:
  • Na tua instituição já procederam à aplicação do estudo?
  • Qual o resultado da taxa de adesão?
  • Que estratégias consideras terem sido mais eficazes para promover a participação dos profissionais?


Partilha connosco as tuas ideias, comentários e sugestões.

UM DIA SERÁS TU O DOENTE!

#umdiaserastuodoente
Fernando Barroso

Sem comentários:

Enviar um comentário