Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Dia Mundial Stop às Úlceras por Pressão (UPP) - Tempo de reflexão

Post de Convidado – Enfermeira Diana Sousa

No Dia 19 de Novembro de 2015 sinalizamos o dia Mundial do Stop às Úlceras por Pressão (UPP).
Falamos de feridas que, na sua maioria (pelo menos 95%), são evitáveis, recorrendo a estratégias designadas de medidas de prevenção. Estas medidas estão descritas há décadas em todos os manuais da matéria, mas que, pelos mais variados argumentos, tendem a ser menosprezadas, desvalorizadas, em detrimento do tema “híper mega atrativo – o tratamento das feridas e os seus magníficos apósitos!”. Sem desprimor para a área do tratamento, na qual também estou envolta, e sem querer ter a pretensão de desvalorizar a sua importância, seriamos profissionais de saúde de extrema inovação, se reflectíssemos primeiramente sobre o tema da Prevenção das Úlceras por Pressão.
É da responsabilidade das instituições de prestação de cuidados de saúde garantir o Direito à Prevenção de UPP universalmente consagrado pela Declaração do Rio de Janeiro de 2011. Assegurando o acesso equitativo de recursos humanos e materiais de qualidade. Garantindo a uniformização das medidas preventivas, as que a ciência já nos demonstrou serem eficientes no combate a este flagelo. Em breve, seremos responsabilizados pela não aplicação destas medidas…e ai talvez a figura da autoridade nos empurre para a consciencialização de que podemos e devemos, de forma tão simples, prevenir este flagelo, as UPP.
As UPP são um problema de saúde pública, com impacto importante na saúde das pessoas, na sua qualidade de vida, condicionando situações de dependência funcional, comorbilidade, podendo mesmo conduzir à morte.
Falamos, portanto, de um evento adverso, da segurança das pessoas de quem cuidamos…
Felizmente temos capital intelectual no CHS, profissionais persistentes e empenhados, profissionais de saúde que teimam em divulgar a ciência, as orientações universais na matéria de prevenção e de tratamento de UPP, nos mais diversos serviços desta instituição.
Ainda que, por várias vezes, sejamos confrontados pelos pares, que vão proclamando, verdadeiras teorias de conspiração universal contra produtos desaconselhados, assumindo-se, portanto, uma perfeita sincronia dos investigadores do mundo, no sentido de falsificar o conhecimento. Considere-se como exemplo, a fábula do hipoclorito de sódio (Dakin). Este, que já nem é matéria de discussão na comunidade científica!
Felizmente a maioria de nós, recusa-se a ficar estagnado numa ciência que faz parte da história, a história na qual aqueles produtos, medidas resultavam. Muitas vezes só porque sim, ou porque a sorte ajudou…
Aos pares que teimam em acreditar em conspiração à escala mundial, seja feito o convite de demonstração dessa evidência, não se esquecendo das implicações éticas do processo.
Leia-se agora, em 2015, o Plano Nacional de Segurança do Doente, um eixo estratégico de definição de estratégias para as UPP. O CHS desde 2011 que tem no seu plano actividades relacionadas com este assunto, as estratégias definidas.
Estamos juntos neste caminho e de parabéns pelo caminho que já efectuamos, cientes de que temos muito, ainda, para construir.
Celebre-se então o Dia Mundial do Stop as UPP não só hoje, mas todos os dias, pondo em prática a evidência! Seremos inovadores, mais até, diria, que o último apósito apresentado à comunidade científica!

Diana Sousa – Enfermeira Especialista
Coordenadora do Grupo de Trabalho para
Prevenção e Tratamento das Feridas (GPTF) do

Centro Hospitalar de Setúbal, E.P.E.

3 comentários:

  1. Olá
    Ora cá está o post que «marca a efeméride»!
    Prevenir, mais do que tratar....eis a tónica principal .
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este post só aconteceu porque tu sugeriste atempadamente e chamas-te a atenção para o tema.
      Obrigado pela ajuda e "força" para continuar.

      Eliminar
  2. Olá
    É um gosto «andar por aqui»....
    Continuação de bom trabalho.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar