Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 17 de março de 2013

Os 10 Piores Perigos Relacionados com os Cuidados de Saúde: 2013

Titulo Original: 10 Worst Medical Treatment Dangers: 2013
Artigo da Autoria de: Mark Crane Contributor Information - January 24, 2013
Tradução e Adaptação de Fernando Barroso e Susana Ramos


Os avanços na tecnologia de saúde são muitas vezes uma espada de dois gumes. Eles fornecem novas formas de melhorar o atendimento ao Doente, mas também criam novas oportunidades para causar dano ao Doente se as falhas do projeto não são identificadas e corrigidas, se os equipamentos não são objeto de manutenção adequada, ou se os protocolos de segurança e utilização não são seguidos. Para ajudar a minimizar a possibilidade de ocorrência de eventos adversos, a ECRI Institute of Plymouth Meeting, Pensilvânia, uma organização independente sem fins lucrativos que estuda o desenvolvimento da prestação de cuidados aos Doentes, identificou o “Top Ten” dos perigos da utilização da tecnologia associada aos cuidados de Saúde para 2013.

Os riscos foram identificados com base no potencial de lesão ou morte, frequência de ocorrência, número de Doentes afectados, notoriedade nos meios de comunicação, e medidas que os hospitais podem tomar para diminuir estes riscos.

TOP TEN
Perigos Relacionados com os Alarmes
Erros de Medicação associados à utilização de Bombas de Perfusão
Queimaduras por Radiação a partir de procedimentos de diagnóstico de Radiologia
Erros nos dados clínicos de Doentes em Processos Clínicos Electrónicos,
Dispositivos e Sistemas de Informação que não “comunicação” entre si.
Perigo de Embolia Gasosa
Utilização, em Crianças, de Tecnologia destinada a Adultos
Endoscópios e Instrumentos Cirúrgicos Sujos
Enviar/Receber SMS durante a Execução de Procedimentos Cirúrgicos
Incêndios em Procedimentos Cirúrgicos


Perigos Relacionados com os Alarmes
Os alarmes existentes em bombas de infusão, ventiladores e outros dispositivos são projetados para informar a equipa clinica de um problema que precisa de atenção imediata. Mas o simples número de alarmes existentes num hospital pode sobrecarregar o pessoal, levando a complacência e a uma resposta atrasada. Os profissionais muitas vezes diminuem o volume dos alarmes.

"Se os alarmes estão a soar demais, então todos os alarmes começam a perder o seu significado", diz Rob Schluth, Director de Projectos Sénior da ECRI's Health Devices Group. "Concentre-se em reduzir os alarmes sonoros para eventos que não necessitam de ação por parte dos funcionários. Talvez um indicador visual seja suficiente para algumas condições.

"A correcta instalação inicial pode corrigir problemas que causam a activação dos alarmes em primeiro lugar", diz o autor. "Por exemplo, reforçar as técnicas de preparação da pele e substituição de eletrodos do ECG de uma forma regular pode prevenir que estes se descolem facilmente e assim, evitar condições para que o alarme de “ECG desconectado” seja activado."

Erros de medicação associados à utilização de Bombas dePerfusão
Os dispositivos de infusão são objecto de um maior número de relatos de incidentes adversos à Food and Drug Administration (FDA) dos EUA do que qualquer outra tecnologia médica, de acordo com a Association for the Advancement of Medical Instrumentation.
De 2005 a 2009, foram relatados mais de 700 mortes associadas com dispositivos de perfusão.[1]

Erros na introdução dos dados, como erros de digitação ou inserir informação no campo errado pode ser perigoso. Os erros são causados por ordens ilegíveis ou medicação que é mal preparada ou administrada ao Doente errado.

Queimaduras por Radiação a partir de procedimentos de diagnóstico de Radiologia
O uso e dose inadequada de TAC podem levar a uma exposição desnecessária dos Doentes à radiação. A qualidade da imagem geralmente melhora com o aumento da dose. Como resultado, há uma tendência para a utilização de doses mais elevadas que estão associadas a um maior risco para o Doente. As reacções agudas, como queimaduras de radiação e perda de cabelo são relativamente raros, mas ainda ocorrem com muita frequência, conforme afirma o relatório da ECRI.

As queimaduras induzidas pela radiação ocorrem porque o feixe de radiação pode ficar na mesma área de pele por muito tempo, diz Jason Launders, Director of Operations of ECRI's Health Devices Group. "As projecções alternativas podem reduzir a incidência de queimaduras", afirma. "É difícil controlar a dose para uma área específica da pele. Existem sistemas de fluoroscopia que podem manter o controlo do tempo de exposição e alarmam depois de um tempo pré-definido. Os alarmes são geralmente ignorados.

Erros nos dados clínicos de Doentes em Processos Clínicos Electrónicos,
Os erros que causam com que os dados de um Doente acabem no registro de outro Doente não são novos.
"Inserir os dados clínicos no processo clinico electrónico (PCE) do Doente correcto não acontece de forma automática”, diz Rob Schluth. "São necessários sistemas bem desenhados, implementações cuidadosas e atenção aos fluxos de trabalho (workflow). Por exemplo, um monitor fisiológico pode ser configurado para transmitir os dados directamente para o PCE do Doente. Mas o que acontece quando o monitor estiver conectado a um Doente diferente? Ou se o Doente é conectado a um monitor diferente? Associar e desassociar correctamente um dispositivo com o registro do Doente são passos fundamentais no processo. "

Dispositivos e Sistemas de Informação que não “comunicação” entre si.
As interfaces entre dispositivos médicos nem sempre funcionam como esperado e podem permitir a existência de condições perigosas. Por exemplo, a ECRI descobriu que um sistema de monitorização não comunicava alarmes sonoros ou visuais a partir de um interface com um ventilador para advertir os cuidadores de uma desconexão critica do Doente ao circuito do ventilador.

"A interoperabilidade fornece um caminho para as coisas boas serem compartilhados entre dispositivos e sistemas", diz Rob Schluth. "Os dados e resultados de testes do Doente podem ser transmitidos sem atrasos ou a necessidade de repetir novamente a entrada de dados. Informação incorrecta também pode viajar ao longo dessas vias. Uma falha num sistema pode afectar outros sistemas conectados. Um caminho pode estar incompleto, o que significa que alguma informação vital não é transmitida.

Perigo de Embolia Gasosa
A embolia gasosa é uma complicação potencialmente letal de alguns procedimentos médicos e cirúrgicos. Embora relativamente rara, ocorrem incidentes fatais. A Pennsylvania Patient Safety Authority encontrou 59 eventos adversos confirmados ou suspeitos de embolia gasosa entre 2004 e 2011, incluindo 7 casos de danos permanentes e 6 mortes. A maior percentagem de eventos relatados está associada com o uso de dispositivos de acesso venoso central.

"É difícil dizer se os incidentes são por causa da complacência, porque um indivíduo específico não entendeu os riscos numa situação particular, ou se são por causa de uma combinação incomum de factores", diz Rob Schluth. "Estes incidentes ilustram que até perigos bem conhecidos merecem atenção para recordar aos cuidadores os riscos associados, bem como as medidas a tomar para minimizá-los."

A ECRI recomenda a instituição de um procedimento de “time-out” para as actividades que apresentam um risco de embolia alto, reforçando os procedimentos adequados a seguir para expurgar completamente o ar dos sistemas de administração de soluções, e exigindo aos profissionais que confirmem qualquer linha até à sua fonte antes de a ligar ao acesso venoso do Doente.

Utilização em Crianças de Tecnologia destinada a Adultos
A tecnologia projectada para Doentes adultos muitas vezes precisa ser usada em crianças, em alguns casos, porque não existem alternativas.

Os dispositivos específicos para pediatria são lentos a atingir o mercado por causa do pequeno número de Doentes disponíveis para estudo, a natureza de “alto risco” dos dispositivos e dos custos elevados de desenvolvimento.

As crianças podem ser colocadas em risco quando utilizamos tecnologias desenhadas para "adultos" nos seus cuidados. Alguns exemplos incluem o uso de configurações de doses inadequadas durante procedimentos de radiologia, a falta de opções adequadas às crianças na administração de medicamentos e sistemas computadorizados, e a ausência de materiais de emergência pediátricos em áreas de cuidados, onde as crianças podem ser observadas.

Endoscópios e Instrumentos Cirúrgicos Sujos
O perigo associado à contaminação cruzada que ocorre quando os endoscópios flexíveis não são devidamente reprocessados tem-se mantido durante anos na lista dos 10 principais perigos da ECRI.

A ECRI quer que as Instituições assumam a função de reprocessamento de forma mais ampla nos seus esforços de segurança do Doente. Existem numerosos incidentes relatados que envolvem instrumentos "sujos" reprocessados para uso em cirurgia e outros procedimentos médicos. A contaminação é frequentemente detectada após o item ter sido usado num Doente.

"É importante que a equipa de reprocessamento esteja devidamente formada em protocolos adequados", diz Rob Schluth. "É útil explicar por que é que cada passo é necessário, descrevendo exactamente o que pode acontecer se um passo for ignorado. Os trabalhadores da linha da frente precisam estar cientes dos perigos.

"Identifique as causas raiz de qualquer falha. É uma questão em que a equipa não sabe o procedimento correto, ou existem outros factores contribuintes para o problema?”. "Por exemplo, é alocado tempo suficiente para realizar o procedimento correctamente, ou o pessoal sente-se pressionado a tomar atalhos? Os materiais/equipamentos necessários estão disponíveis? As instruções são confusas, demasiado complexas ou fora de data? O reprocessamento é muito difícil porque o dispositivo não foi adequadamente “limpo” (pré-limpeza) na sala onde o procedimento é efectuado?"

Enviar/Receber SMS durante a Execução de Procedimentos Cirúrgicos
As interrupções de pagers e outros dispositivos têm feito parte da medicina, mas os smartphones e outros dispositivos móveis tornam agora mais fácil que os clínicos sejam interrompidos por razões não relacionadas com o trabalho - e para fazerem as suas próprias interrupções.

Metade dos entrevistados numa pesquisa efectuada em 2010 reconheceu que enviava e recebia mensagens de texto durante os procedimentos de bypass cardiopulmonar[2], e 15% mais admitia que acedia à internet e 3% relatava que visitava sites de redes sociais durante os procedimentos. Distracções adicionais ocorrem com mais frequência do que as pessoas pensam, expondo os Doentes ao perigo.

"Estes dispositivos podem ser usados para inúmeros efeitos clinicamente úteis", diz Rob Schluth. "Mas eles podem desviar a atenção do cuidador para longe do Doente ou da tarefa em mãos. Receber mensagens de texto pessoais ou utilizar os dispositivos para verificar as redes sociais durante o atendimento ao Doente são comportamentos questionáveis. Mesmo o ato de se concentrar no dispositivo, em vez de observar o Doente, ou ouvir as informações que estão a ser trocadas, pode afectar a qualidade do atendimento. "

Incêndios  em Procedimentos Cirúrgicos
Existe uma estimativa de 600 incêndios cirúrgicos por ano[3]. Apesar de ser apenas uma percentagem minúscula dos milhões de operações realizadas, esses eventos quase inteiramente evitáveis ainda ocorrem com muita frequência. O perigo continua na lista dos 10 mais da ECRI por causa das potenciais consequências devastadoras, incluindo desfiguração e morte.

"Uma rápida avaliação dos riscos potenciais de incêndio antes do início de um procedimento pode ajudar a equipa a proteger-se contra os elementos do triângulo do fogo – fontes de oxigénio, fontes de ignição e combustível", diz Rob Schluth.



[1] Association for the Advancement of Medical Instrumentation. Infusing patients safely. Priority issues from the AAMI/FDA Infusion Device Summit. 2010. http://www.aami.org/publications/summits/AAMI_FDA_Summit_Report.pdf Accessed January 15, 2013.
[2] Smith T, Darling E, Searles B. 2010 survey on cell phone use while performing cardiopulmonary bypass. Perfusion. 2011;26:375-380
[3] ECRI Institute. Top 10 health technology hazards for 2012. Health Devices. 2011;40. https://www.ecri.org/Documents/Secure/Health_Devices_Top_10_Hazards_2012.pdf?cm_mid=1173745&cm_crmid={A22F25F2-9A47-E111-863D-005056930045}&cm_medium=email Accessed January 15, 2013.

Sem comentários:

Enviar um comentário