Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

To Err is Human: Building a Safer Health System


"Errar é Humano: Construindo um Sistema de Saúde mais Seguro"

Este é um relatório emitido em Novembro de 1999 pelo Instituto de Medicina dos EUA (U.S. Institute of Medicine ) que resultou numa maior sensibilização para os erros que ocorrem como resultado da prestação de cuidados de saúde nos EUA.

O impulso para a segurança dos doentes que se segui ao seu lançamento ainda continua e tem servido para alertar consciências em todo o mundo.
Podes consultar o relatório original aqui: http://books.nap.edu/openbook.php?record_id=9728&page=R1

O relatório foi baseado na análise de múltiplos estudos efectuados por uma grande variedade de organizações e concluiu que entre 44000 a 98000 pessoas morrem a cada ano em consequência de erros médicos evitáveis.
Por comparação, menos de 50000 pessoas morreram da doença de Alzheimer e 17000 morreram por uso de drogas ilícitas no mesmo ano.
O relatório pediu um esforço global aos Prestadores de Cuidados de Saúde, Governo, Consumidores e Outros.
Alegando que o conhecimento sobre como evitar esses erros já existia, o Instituto de Medicina dos EUA estabeleceu uma meta mínima de 50% de redução nos erros ao longo dos cinco anos seguintes. Embora actualmente não quantificados, este ambicioso objectivo ainda tem de ser cumprido.
O relatório foi seguido em 2001 por um outro relatório, amplamente citado do Institute of Medicine, "Crossing the Quality Chasm", que promove muitos pontos do estudo original.
Ambos são amplamente referenciados.
Podes consultar o relatório original aqui: http://books.nap.edu/openbook.php?record_id=10027

"Errar é Humano – "To Err is Human", foi a inspiração para a Campanha das 100,000 Vidas do Institute for Healthcare Improvement's, que em 2006 afirmou ter evitado um número estimado de 124.000 mortes num período de 18 meses através de iniciativas relacionadas com a segurança do doente em mais de 3.000 hospitais.

Fernando Barroso

Sem comentários:

Enviar um comentário