Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 14 de agosto de 2016

Uma abordagem Militar à Higiene das Mãos para promover a Segurança do Doente

 Segurança Do Doente
O Nationwide Children's Hospital em Columbus, Ohio, estava a debater-se com um problema de segurança do doente, idêntico a tantas instituições portuguesas. Verificava-se uma baixa percentagem de conformidade com a higiene das mãos.
Foi então experimentado um método “militar”, o “safety stand-down”, que pode traduzir-se como um “Briefing de Segurança”, momento em que todas as actividades não essenciais do Hospital/Instituição são suspensas em todos os Serviços para que sejam discutidos planos de acção que promovam a higiene das mãos com vista a uma melhoria da segurança do doente.
A história detalhada encontra-se publicada no Journal of Patient Safety.
A questão remonta a 2010 quando o hospital verificou um pico de infecções associadas aos cuidados de saúde, o que estimulou um foco renovado sobre a higiene das mãos. Uma observação à prática diária encontrou uma taxa de cumprimento do hospital de aproximadamente 65%.
Depois de melhorar o acesso dos trabalhadores de saúde aos produtos de higiene das mãos, o hospital organizou uma “Conferencia de Líderes para a Segurança e Higiene das mãos”, com a participação de todos os chefes de departamento, chefes de enfermagem e directores de departamentos auxiliares. Nesta conferência, os executivos discutiram a importância da higiene das mãos e desenvolveram um plano de acção para a sua unidade com o objectivo de melhorar a conformidade relativamente à higiene das mãos.
Esta conferência também preparou os líderes para o Briefing de Segurança / Stand-down”, um termo emprestado dos militares em que a diminuição da actividade permite aos líderes de cada serviço falar com os trabalhadores da linha de frente para discutir questões de segurança. No hospital, isso significava que em cada Departamento/ Serviço / Unidade os trabalhadores de saúde suspendem todo o trabalho não essencial para discutir como melhorar a higiene das mãos naquela unidade.
De acordo com o estudo a “atenção” e “ruído” associados à paragem de toda a actividade clínica não essencial captou a atenção do pessoal do hospital e deixou claro que esta acção era importante para todos".
O plano de melhoria transversal a todo o hospital incluía outras acções tais como:
- As Chefias de Departamento ou Serviço cujas unidades registavam conformidade inferior a 90% tinham de reunir com o Director Clínico ou Director de Enfermagem para discutir o desempenho.

 - Todo o pessoal do hospital que foi considerado incumpridor com as normas de higiene das mãos era chamado a reunir directamente com o Director Clínico ou Director de Enfermagem na primeira e segunda falha. Na terceira infracção, era registado uma nota de incidente crítico no seu arquivo pessoal.
Ainda de acordo com o estudo, após o Briefing de Segurança / Stand-down”, a conformidade de adesão à higienização das mãos subiu de menos de 60% para 94%, um aumento estatisticamente significativo. E, com apenas duas excepções, a conformidade global da higiene das mãos tem sido superior a 90% nos últimos três anos e meio.
O estudo conclui que "Este programa pode ser facilmente implementado, os custos pouco, e é relativamente não punitivo." "Nós sugerimos que outras organizações que ainda lutam para alcançar altos níveis de adesão à higienização das mãos utilize esta técnica relativamente simples para melhorar os seus resultados."
Esta “experiencia” é fruto de uma cultura institucional e individual que tem de ser trabalhada.
A realidade em Portugal pode considerar-se muito diferente, por exemplo entre Instituições Públicas e Privadas onde o que é permitido e o que não é assume contornos, por vezes extremos.
Veja-se a realidade das unhas de gel ou a forma como o “fardamento” é interpretado por diferentes Instituições e respectivos profissionais.
Em todo este processo não há ninguém isento de responsabilidades.
Cada profissional é responsável pelos seus actos e por aquilo que aprendeu durante a sua formação base. Passar de aluno a profissional não pode significar o abandono de regras de higiene e segurança do doente.
Se essa formação não foi realizada de forma formal (o que pode ocorrer por exemplo com os assistentes operacionais), é responsabilidade da instituição promover essa formação e respectivas orientações internas.
Cabe depois aos responsáveis das instituições, a todos os níveis, ser o garante do seu cumprimento e exemplo para os profissionais que lideram.
Fica aqui a experiência da Nationwide Children's Hospital no seu caminho em benefício da segurança do doente.

Produzido com base em material do Journal of Patient Safety

Deixa os teus comentários.
Partilha esta informação com os teus contactos ou redes sociais.
Ajuda-nos a chegar mais longe.
Fernando Barroso

4 comentários:

  1. olá
    «Pagar pelos erros cometidos»....Punição!
    Provavelmente a forma mais eficaz de se obterem resultados...infelizmente.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Amigo. É verdade que a maioria cumpre e faz um esforço consciente para estar de acordo com as boas práticas, mas também é verdade que há muitos que simplesmente "não querem saber" colocando em causa tudo o que os outros constroem, e pior ainda, a segurança dos doentes.
      E sobre isto não posso escrever muito mais sob pena de ser mal interpretado...
      Abraço.

      Eliminar
  2. Olá
    «Eternamente», os «Donos do Saber».....
    Provavelmente só mudarão comportamentos e atitudes quando estiverem «do outro lado da barricad».
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  3. Reconheço absolutamente a importância do exemplo dos modelos como reforço de comportamentos positivos. No entanto a profissão integra valores éticos e deontológicos de ordem superior que a suportam e que se constituem como drivers comportamentais e estruturais que sustentam o livre arbítrio. Logo as medidas de prevenção e controlo de infecção são sobretudo questões de consciência profissional, não passiveis de absolvição por exemplos negativos.

    ResponderEliminar